Regras de Interpretação Profética

     Para acharmos tesouros escondidos na Bíblia, devemos seguir certas regras de interpretação ou poderemos ser levados a conclusões errôneas que pensamos ser de Deus. Essas regras devem vir de iluminação Divina, e nossas únicas fontes seguras são a Bíblia e o Espírito de Profecia. 
    Falaremos agora sobre essas regras de interpretação bíblica, escritas por Guilherme Miller e endossadas por Ellen G. White no periódico Review and Herald.
     “Aqueles que estão unidos na proclamação da terceira mensagem angélica estão pesquisando as escrituras sob o mesmo plano que o Pai Miller adotou. No pequeno livro intitulado Visões das Profecias e Cronologias Proféticas, Pai Miller dá as seguintes, simples, mas inteligentes e importantes regras para estudo da Bíblia e sua interpretação:

 

  1. Cada palavra deve ter sua correta conexão no tópico     apresentado na Bíblia;

  2. Toda escritura é necessária, e deve ser entendida por diligente estudo e aplicação;

  3. Nada revelado na Escritura será escondido daqueles que pedem com fé e determinação;

  4. Para entender doutrina, traga toda a Escritura junta no contexto que você deseja saber. Então, deixe cada palavra ter sua própria influência, e se você puder formar sua teoria sem nenhuma contradição você não estará em erro;

  5. A Escritura tem que se explicar por si própria, a qual é uma regra em si mesma. Se eu dependo de um professor para me explicar, e ele tentar adivinhar seu significado ou desejar colocá- lo de acordo com seu credo ou seita, ou ainda tentar ser sábio, então sua predição, desejo, crença ou sabedoria tornam-se a minha regra, e não a Bíblia.

 

   Temos acima um resumo destas regras, e em nosso estudo da Bíblia faríamos bem em observar estes princípios. 
     Fé genuína é fundamentada sobre as Escrituras; mas Satanás usa vários meios para distorcer as Escrituras e trazê-las para o erro, portanto grande cuidado é necessário para você saber o que elas realmente ensinam. É um dos grandes enganos deste tempo delongar-se muito sobre sentimentalismo e  reivindicar honestidade, enquanto ignoram-se as claras afirmações da Palavra de Deus, quando a Palavra não coincide com o sentimento. Muitos não têm nenhum fundamento para sua fé, mas somente emoção. Sua religião consiste em excitação, e quando isso cessa, sua fé some. Sentimentalismo pode ser palha, mas a Palavra de Deus é trigo. E "que", diz o profeta, "tem a palha com o trigo"? 
     Ninguém será condenado por não ter dado atenção à luz e conhecimento que nunca teve, e que não poderia obter. Mas muitos se recusam a obedecer a verdade que lhes é apresentada pelos embaixadores de Cristo porque querem estar em conformidade com o padrão do mundo; e a verdade que atingiu-lhes o entendimento, a luz que brilhou na alma, vai condená-los no julgamento. Nestes últimos dias, temos luz acumulada que tem brilhado por todas as gerações, e seremos proporcionalmente responsáveis por essa luz. O caminho da santidade não está nivelado com o mundo, é um caminho superior. Se caminharmos neste sentido, se corrermos no caminho dos mandamentos do Senhor, veremos que a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito”. Review & Herald, 25 de novembro de 1884, pag.27.


      No livro Visões das Profecias e Cronologias Proféticas, Miller declara:     
    “Ao estudar a Bíblia, eu descobri que as seguintes regras seriam de grande utilidade para mim, e agora as publico por solicitações especiais. Cada regra deve ser bem estudada em conexão com as referências bíblicas, para que o estudante da Bíblia seja beneficiado por elas.  

 

  • Regra 1: Cada palavra tem que ter sua correta conexão no tópico apresentado na Bíblia. PROVA: Mateus 5:18.

  • Regra 2: Toda Escritura é necessária e deve ser entendida por um diligente estudo e aplicação.  PROVA: 2 Timóteo 3:15-17.

  • Regra 3: Nada revelado na Escritura será escondido daqueles que pedem com fé e determinação. PROVA: Deuteronômio 29:29; Mateus 10:26-27; 1 Coríntios 2:10; Filipenses 3:15; Isaías 45:11; Mateus 21:22; João 14:13-14, 15:7; Tiago 1:5-6; 1 João 5:13,14,15. 

  • Regra 4: Para entender doutrina, traga toda a Escritura junta no contexto que você deseja saber. Então, deixe cada palavra ter sua própria influência, e se você puder formar sua teoria sem nenhuma contradição você não estará em erro. PROVA: Isaías 28:7-29; Isaías 35:8; Provérbios 19:27; Lucas 24:27, 44-45; Romanos 16:26; Tiago 5:19; 2 Pedro 1:19,20. 

  • Regra 5: A Escritura tem que se explicar por si própria, a qual é uma regra em si mesma. Se eu dependo de um professor para me explicar, e ele tentar adivinhar seu significado ou desejar colocá-lo de acordo com seu credo ou seita, ou ainda tentar ser sábio, então sua predição, desejo, crença ou sabedoria tornam-se a minha regra, e não a Bíblia.  PROVA: Salmos 19:7-11; Salmos 119:97-105; Mateus 23:8-10; 1 Coríntios 2:12-16; Ezequiel 34:18-19; Lucas 11:52; Malaquias 2:7-8. 

  • Regra 6: Deus tem revelado coisas que são desvendadas repetidamente por diferentes visões, figuras e/ou parábolas. Se você deseja entendê-las, você tem que combinar todas elas em uma só. PROVA: Salmos 89:19; Oséias 12:10; Habacuque 2:2; Atos 2:17; 1Coríntios 10:6; Hebreus 9:9,24; Salmos 78:2; Mateus 13:13,34; Gênesis 41:1-32; Daniel 2, 7, 8; Atos 10:9-16.

  • Regra 7: Visões são sempre mencionadas como visões. PROVA: 2 Coríntios 12:1. 

  • Regra 8: Figuras sempre têm um significado figurativo e são usadas muito em profecia para representar coisas futuras, tempos e eventos; como montes significando governos; bestas significando reinos; água significando povos; lâmpada significando a Palavra de Deus, dia significando ano. PROVA: Daniel 2:35,44, 7:8,17; Apocalipse 17:1,15; Salmos 119:105; Ezequiel 4:6.

  • Regra 9: Parábolas são usadas como comparação para ilustrar um tópico, e devem que ser explicadas da mesma forma como as figuras, pelo tópico e pela Bíblia. PROVA: Marcos 4:13.

  • Regra 10: As figuras às vezes possuem dois ou mais significados, por exemplo, dia é usado no figurativo para representar três diferentes períodos de tempo. PROVA: Eclesiastes 7:14. 
    1.    Indefinido;
    2.    Definido, um dia igual a um ano;
    3.    Definido, um dia igual a mil anos.     
    Se você aplicar a construção correta, terá harmonia com a Bíblia e fará sentido, ao contrário não. PROVA: Ezequiel 4:6; 2 Pedro 3:8.

  • Regra 11: Como saber quando a palavra foi usada no figurativo? Se fizer sentido como ela está na frase, e não violar as simples leis da natureza, então deverá ser entendida literalmente, se não, no figurativo. PROVA: Apocalipse 12:1-2; 17:3-7.

  • Regra 12: Para aprender o verdadeiro significado de alguma figura, procure a palavra pela Bíblia, e quando você a achar explicada coloque-a na sua figura. Se fizer sentido você não precisa ir além, se não, procure de novo.

  • Regra 13: Para saber se você tem o verdadeiro evento histórico para o cumprimento da profecia, se você achar que cada palavra da profecia (depois que as figuras foram entendidas) está literalmente cumprida, você saberá que a sua história é um evento verdadeiro. Mas se uma palavra não parece que foi cumprida, você deverá procurar por outro evento, ou espere pelo seu cumprimento. Deus cuida para que a profecia e a história estejam de acordo para que os verdadeiros filhos de Deus nunca sejam envergonhados. PROVA: Salmos 22:5; Isaías 45:17,18,19; 1Pedro 2:6; Apocalipse 17:17; Atos 3:18. 

  • Regra 14: De todas as regras, a mais importante é que você deve ter fé. Deverá ser uma fé que requeira sacrifício, e se provada, que abra mão do mais amado objeto na terra, o mundo e seus desejos, como moradia, ocupação, amigos, lar, conforto e honras. Se qualquer uma destas coisas for um empecilho para a nossa crença em alguma parte da Palavra de Deus, isto mostrará que a nossa fé é em vão. Nunca iremos crer por muito tempo se um desses motivos estiver escondido em nossos corações. Devemos acreditar que Deus nunca omitirá nada em sua Palavra. Podemos ter confiança de que aquele que toma conhecimento do pardal, e sabe os números dos fios em sua cabeça, guardará a interpretação de sua própria Palavra, e colocará uma barreira ao redor que protege aqueles que sinceramente acreditam em Deus e colocam implícita confiança na sua Palavra, levando-os a ficar longe do erro e próximos da verdade, ainda que eles não entendam hebraico ou grego. 

     Essas são algumas das mais importantes regras que penso que a Palavra de Deus me autoriza a adotar e seguir, a fim de ser sistemático e regular. E se eu não estiver fortemente enganado, tenho achado a Bíblia, como um todo, um dos livros mais simples, claros e compreensíveis já escritos, contendo em si mesmo a prova de sua origem divina e cheio de todo o conhecimento que nossos corações possam desejar e apreciar. Achei nela um tesouro que o mundo inteiro não pode comprar. Ela possui um conhecimento que traz calma, paz e uma firme esperança no futuro. Sustém a mente na adversidade, nos ensina a sermos humildes na prosperidade, nos prepara a amar e fazer coisas boas para outros e nos acorda para o valor da alma. Nos faz confiantes e valentes para a verdade, e fortalecidos para se opor ao erro. Nos dá uma arma poderosa para quebrar a infidelidade e nos faz conhecer o único antídoto para o pecado. Instrui como a morte será vencida e como as amarras da tumba serão quebradas. Nos conta sobre os futuros eventos e nos mostra a preparação necessária para encará-los. Nos dá a oportunidade de manter o diálogo com o Rei dos Reis e revela o maior código de leis já promulgado. Isso é uma fraca visão do seu valor, e tantas pessoas que estão perecendo a tratam com negligência, ou como um mistério que não pode ser entendido. 

     Oh meu querido leitor, faça dela seu principal estudo colocando-a à prova e você achará que ela é tudo aquilo que eu tenho dito. Sim, como a Rainha de Sabá, você dirá que te contaram somente a metade. A divindade ensinada em nossas escolas é sempre fundamentada em algum credo sectário. Pode-se pegar uma mente vazia e impressioná-la, mas sempre terminará em intolerância. Uma mente livre nunca estará satisfeita com os pontos de vista de outros. Se eu ensinasse teologia aos jovens, eu primeiro aprenderia sobre seus conhecimentos e suas capacidades. Se estes fossem bons, eu os faria estudar a Bíblia por si mesmos, e os deixaria livres para fazer bem ao mundo. Mas se eles não tivessem mente, eu carimbaria neles a mente de outros, e escreveria “bitolado” em suas testas, e os enviaria como escravos”.  Miller's Work Vol 1, Views of the Prophecies and Prophetic Chronology, pag. 20-24.

     Guilherme Miller adotou essas regras em seu estudo da Bíblia, desvendando algumas profecias que foram o fundamento do movimento Milerita de 1844. Essas profecias foram guiadas pela mão de Deus. 

     “A Guilherme Miller e seus cooperadores coube a pregação dessa mensagem na América, e a luz acesa por seus labores brilhou até terras distantes. Deus enviou Seu anjo para tocar o coração de um fazendeiro que não cria na Bíblia, a fim de guiá-lo a investigar as profecias. Anjos de Deus constantemente visitavam a este homem escolhido, para dirigir sua mente e abrir-lhe o entendimento para profecias, até então obscuras para o povo de Deus. Foi-lhe concedido o princípio da corrente da verdade, e ele foi levado a examinar elo após elo, até que vislumbrou a Palavra de Deus com espanto e admiração. Viu nela a perfeita cadeia da verdade”. História da Redenção, pag. 356.

Traduzido e revisado por Gabriela Grando e Laura Leite

© 2018 by A Voz de Sião

  • YouTube ícone social
  • Instagram ícone social