Quem somos

Missão:

Reparar as antigas ruínas restaurando os fundamentos de nossa fé para esta  geração.  Isaías 58:12.

 

Nisto cremos:

Cremos nas vinte e oito doutrinas da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Entre elas:

 

  • Trindade

Em um Deus pessoal criador de todas as coisas. Deuteronômio 6:4; Efésios 4:6;

Em Jesus Cristo, divino filho de Deus, nosso Salvador. João 1:1-3; Hebreus 7:25;

No Espírito Santo, o divino consolador e regenerador. Romanos 8:26-27; João 16:8.

  • A Natureza do Homem

     O homem e a mulher foram formados à imagem de Deus com individualidade, o poder e a liberdade de pensar e agir. Conquanto tenham sido criados como seres livres, cada um é uma unidade indivisível de corpo, mente e espírito, e dependente de Deus quanto à vida, respiração e tudo o mais. Quando nossos primeiros pais desobedeceram a Deus, a imagem de Deus neles foi desfigurada, e tornaram-se sujeitos à morte. Seus descendentes partilham dessa natureza caída e de suas consequências. Nascem com fraquezas e tendências para o mal. Mas Deus, em Cristo, reconciliou consigo o mundo e por meio de Seu Espírito restaura nos mortais penitentes a imagem de seu Criador. Criados para a glória de Deus, são chamados para amá-Lo e uns aos outros, e para cuidar de seu ambiente. Gênesis 1:26-28; Gênesis 2:7.

  • Morte e Ressureição

      O salário do pecado é a morte. Mas Deus, o único que é imortal, concederá vida eterna a Seus remidos. Até aquele dia, a morte é um estado inconsciente para todas as pessoas. Quando Cristo, que é a nossa vida, Se manifestar, os justos ressuscitados e os justos vivos serão glorificados e arrebatados para o encontro de seu Senhor. A segunda ressurreição, a ressurreição dos ímpios, ocorrerá mil anos mais tarde. I Timóteo 6:15-16; Eclesiastes 9:5-6.

 

  • O Ministério de Cristo no Santuário Celestial

      Há um santuário no céu, o verdadeiro tabernáculo que o Senhor erigiu, não o homem. Nele Cristo ministra em nosso favor, tornando acessíveis aos crentes os benefícios de Seu sacrifício expiatório oferecido uma vez por todas na cruz. Ele foi empossado como nosso grande Sumo Sacerdote e começou Seu ministério intercessório por ocasião de Sua ascensão. Em 1844, no fim do período profético dos 2.300 dias, Ele iniciou a segunda e última etapa de Seu ministério expiatório. É uma obra de juízo investigativo, a qual faz parte da eliminação final de todo pecado, prefigurada pela purificação do antigo santuário hebraico, no Dia da Expiação. Nesse serviço típico, o santuário era purificado com o sangue de sacrifícios de animais, mas as coisas celestiais são purificadas com o perfeito sacrifício do sangue de Jesus. O juízo investigativo revela aos seres celestiais quem dentre os mortos dorme em Cristo, sendo, portanto, nEle, considerado digno de ter parte na primeira ressurreição. Também torna manifesto quem, dentre os vivos, permanece em Cristo, guardando os mandamentos de Deus e a fé de Jesus, estando, portanto, nEle, preparado para a trasladação ao Seu reino eterno. Este julgamento vindica a justiça de Deus em salvar os que creem em Jesus. Declara que os que permaneceram leais a Deus receberão o reino. A terminação do ministério de Cristo assinalará o fim do tempo da graça para os seres humanos, antes do segundo advento. Daniel 8:13-14; Hebreus 8:1-2.

  • O Sábado

     Deus, o Criador, após os seis dias da criação, descansou no sétimo dia e instituiu o sábado para todas as pessoas, como memorial da criação. O quarto mandamento da imutável lei de Deus requer a observância deste sábado do sétimo dia como dia de descanso, adoração e ministério, em harmonia com o ensino e prática de Jesus, o Senhor do sábado. O sábado é um dia de deleitosa comunhão com Deus e uns com os outros. É um símbolo de nossa redenção em Cristo, um sinal de nossa santificação, uma prova de nossa lealdade e um antegozo de nosso futuro eterno no reino de Deus. O sábado é o sinal perpétuo do eterno concerto de Deus com Seu povo. A prazerosa observância deste tempo sagrado duma tarde a outra tarde, do pôr-do-sol ao pôr-do-sol, é uma celebração dos atos criadores e redentores de Deus. Gênesis 2:1-3; Êxodo 20:8-11; Lucas 4:16.

  • O Dom de Profecia

     Um dos dons do Espírito Santo é a profecia. Esse dom é uma característica da igreja remanescente e foi manifestado no ministério de Ellen G. White. Como mensageira do Senhor, seus escritos são uma contínua e autorizada fonte de verdade e proporcionam conforto, orientação, instrução e correção à igreja. Eles tornam claro que a Bíblia é a norma pela qual deve ser provado todo ensino e experiência. Joel 2:28-29; Hebreus 1:1-3.

  • A Segunda Vinda de Cristo

       A segunda vinda de Cristo é a bendita esperança da Igreja, o grande ponto culminante do evangelho. A vinda do Salvador será literal, pessoal, visível e universal. Quando Ele voltar, os justos mortos serão ressuscitados e, juntamente com os justos que estiverem vivos, serão glorificados e levados para o Céu, mas os ímpios irão morrer. O cumprimento quase completo da maioria dos aspectos da profecia, bem como a condição atual do mundo, indicam que a vinda de Cristo é iminente. O tempo exato desse acontecimento não foi revelado, e somos portanto exortados a estar preparados o tempo todo. Atos 1:11; João 14:1-3; Apocalipse 1:7.

  • A Experiência da Salvação

       Em infinito amor e misericórdia, Deus fez com que Cristo, que não conheceu pecado, Se tornasse pecado por nós, para que nEle fôssemos feitos justiça de Deus. Guiados pelo Espírito Santo, sentimos nossa necessidade, reconhecemos nossa pecaminosidade, arrependemo-nos de nossas transgressões e temos fé em Jesus como Senhor e Cristo, como Substituto e Exemplo. Essa fé que aceita a salvação, advém do divino poder da Palavra e é o dom da graça de Deus. Por meio de Cristo, somos justificados, adotados como filhos e filhas de Deus, e libertados do domínio do pecado. Por meio do Espírito, nascemos de novo e somos santificados; o Espírito renova nossa mente, escreve a lei de Deus, a lei de amor, em nosso coração, e recebemos o poder para levar uma vida santa. Permanecendo nEle, tornamo-nos participantes da natureza divina. II Coríntios 5:17-21; João 3:16; Rommanos 12:2.

Demais crenças importantes para nós:

 

  • Chuva Serôdia

     No Oriente Médio a primeira chuva é chamada temporã e prepara a semente para germinar; a última, a serôdia, amadurece o grão, e prepara para a colheita.

        Em Joel temos a conexão entre as duas fases da chuva e o derramamento do Espírito Santo:

     “E vós, filhos de Sião, regozijai-vos e alegrai-vos no SENHOR vosso Deus, porque ele vos dará em justa medida a chuva temporã; fará descer a chuva no primeiro mês, a temporã e a serôdia.” Joel 2:23.

    “E há de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões.” Joel 2:28.

     Estas chuvas iniciam com respingos para depois cair como torrentes. Na época dos apóstolos eles receberam a chuva temporã em dois momentos:

    “O ato de Cristo de soprar sobre Seus discípulos o Espírito Santo, e conceder a Sua paz a eles, foi como pequenas gotas antes do derramamento completo que se concretizaria no dia do Pentecostes.” {3SP 243.1}.

     “Só os que estiverem vivendo de acordo com a luz que têm recebido poderão receber maior luz. A não ser que nos estejamos desenvolvendo diariamente como exemplo das ativas virtudes cristãs, não reconheceremos as manifestações do Espírito Santo na chuva serôdia. Pode ser que ela esteja sendo derramada nos corações ao nosso redor, mas nós não a discerniremos nem a receberemos.” {RH March 2, 1897, par. 4}.

​      Cremos, baseados no Espírito de Profecia e na Bíblia, que os respingos da chuva serôdia já começaram a cair e somente os que estão vivendo de acordo com a luz que recebem participarão do alto clamor do terceiro anjo (as torrentes da chuva serôdia).

 

  • Fechamento da Porta da Graça

     Cremos que nossa existência nesse mundo é a chance que temos para aceitar a salvação oferecida por Cristo; que não existe tempo probatório além dessa vida; e que com a morte, o destino do homem é selado eternamente. Entendemos, entretanto, que o homem pode selar seu destino mesmo antes de sua morte, quando o Espírito Santo é rejeitado continuamente. Ao desprezar o Consolador, que traz a convicção do pecado, da justiça e juízo, o ser humano fica escravo do pecado e não há mais nada que Cristo possa fazer em favor do homem. Portanto, o fechamento da porta da graça poderá ocorrer mesmo antes da morte ou de Miguel se levantar.  

   “Então clamarão a mim, mas eu não responderei; de madrugada me buscarão, porém não me acharão. Porquanto odiaram o conhecimento; e não preferiram o temor do SENHOR: não aceitaram o meu conselho, e desprezaram toda a minha repreensão. Portanto comerão do fruto do seu caminho, e fartar-se-ão dos seus próprios conselhos.”  Provérbios 1:28-31. 

​      Acreditamos no trabalho intercessor de Cristo no Santuário Celestial junto ao Pai, e que desde 22 de Outubro de 1844 Ele se encontra no lugar Santíssimo cumprindo a purificação do Santuário conforme a profecia das 2300 tardes e manhãs (Daniel 8:13-14). “Porque Cristo não entrou num santuário feito pro mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para agora comparecer por nós perante a face de Deus.” Hebreus 9:24.

    Pela fé e pela mui firme palavra profética entendemos que o trabalho intercessor de Cristo e o Juízo investigativo estão chegando ao fim; e em breve Miguel se levantará (Daniel 12:1) e como consequência o templo se encherá de fumaça e ninguém mais poderá ministrar diante de Deus. “E o templo encheu-se com a fumaça da glória de Deus e do seu poder, e ninguém podia entrar no templo, até que se consumassem as sete pragas dos sete anjos.” Apocalipse 15:8.

E aconteceu que, quando eles uniformemente tocavam as trombetas, e cantavam, para fazerem ouvir uma só voz, ... a casa se encheu de uma nuvem, a saber, a casa do SENHOR; E os sacerdotes não podiam permanecer em pé, para ministrar, por causa da nuvem; porque a glória do SENHOR encheu a casa de Deus.”  II Crônicas 5:13-14.

   O apóstolo Pedro nos ensina que a igreja de Deus será a primeira a ser pesada na balança do Santuário.“Porque já é tempo que comece o julgamento pela casa de Deus; e, se primeiro começa por nós, qual será o fim daqueles que são desobedientes ao evangelho de Deus?.” I Pedro 4:17. “E, a qualquer que muito for dado, muito se lhe pedirá, e ao que muito se lhe confiou, muito mais se lhe pedirá.” Lucas 12:48.
      Os últimos versos de Daniel 11 e muitos outros profetas também ensinam esse princípio. O tempo probatório se encerra primeiro para o sacerdócio real, povo que deveria ser peculiar, mas não possuiu obras que correspondem sua fé rejeitando afinal as mensagens dos três anjos. “Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz;”  I Pedro 2:9.

     Compreendemos ser a imposição do falso Sábado (domingo) o grande teste final que revelará aqueles que possuem o selo de Deus ou a marca da besta. “Quando sair o decreto, e o selo for aplicado, seu caráter permanecerá puro e sem mácula para toda a eternidade. Agora é o tempo de prepararmos. O selo de Deus jamais será colocado à testa de um homem ou mulher impuros.” {FQV 287.1-2}.

           

  • Doze Fundamentos

       Acreditamos nos doze fundamentos e nas sete colunas da fé adventista. Na casa de Deus – a igreja de Deus – temos coluna e firmeza da verdade.  As colunas sustêm a casa, mas a casa não é fundada sobre as colunas. Antes de colocar as colunas você precisa colocar uma fundação correta ou o alicerce. Estamos construídos sobre a fundação, e esta fundação, para ter firmeza, deve estar construída sobre a Rocha – Jesus Cristo. “... para que saibas como convém andar na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo, a coluna e firmeza da verdade.”     

I Timóteo 3:15.

        Esses fundamentos foram estabelecidos durante o movimento Milerita de 1840 à 1844. O diagrama de 1843 apresenta todos os doze fundamentos. Esse diagrama foi o cumprimento da profecia de Habacuque 2:2-3. {GC 392.2}.

Diagrama de  1843

“O aviso foi dado: Nada está autorizado a vir e perturbar o fundamento da fé sobre a qual temos construído desde que a mensagem veio em 1842, 1843 e 1844. Eu estava nessa mensagem, e desde então tenho estado firme diante do mundo, fiel à luz que Deus tem dado à nós. Não sugerimos tirar os pés da plataforma em que foram colocados dia-a-dia com fervorosa oração buscando ao Senhor pela luz. Você acha que eu  poderia abandonar a luz que Deus me deu? Ela é como a Rocha Eterna, tem me guiado desde que  foi dada.” {RH April 14, 1903}.

São estes os doze fundamentos estabelecidos: “E o muro da cidade tinha doze fundamentos, e neles os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro.” Apocalipse 21:14.

  1. Jesus Cristo;

  2. Daniel 2 – A profecia do sonho de Nabucodonosor: a estátua;

  3. Daniel 7 – Repetição e expansão de Daniel 2;

  4. Daniel 8 – Repetição e expansão de Daniel 2 e 7;

  5. Princípio Dia/Ano- (Ezequiel 4:6, Números 14:34);

  6. Quinta Trombeta – Primeiro Ai (Apocalipse 9:5);

  7. Sexta Trombeta – Segundo Ai (Apocalipse 9:14-15);

  8. Profecia dos 1260 anos (538-1798) – Supremacia Papal/Papado muda tempos e leis;

  9. Profecia dos 1290 anos (Daniel 12:11) – Remoção do Contínuo (Daniel 8:11);

  10. Profecia dos 1335 anos (Daniel 12:12);

  11. Profecia das 2300 tardes e manhãs (Daniel 8:14) – Purificação do Santuário;

  12. Profecia dos 7 tempos (2520 anos) – Espalhamento e Ajuntamento.

 

São estas as sete colunas: “A sabedoria já edificou a sua casa, já lavrou as suas sete colunas.” Provérbios 9:1.

  1. Segunda Vinda de Cristo;

  2. Estado dos Mortos;

  3. Santuário;

  4. Espírito de Profecia;

  5. Sábado;

  6. Reforma da Saúde;

  7. Justificação pela Fé.

  • Verdade Presente (Daniel 11:40-45)

      Acreditamos que o tempo no qual estamos vivendo está claramente descrito por toda a Bíblia, especialmente no livro de Daniel 11:40-45 que nos revela eventos incomparáveis, incluindo o início do tempo do fim, a cura da ferida mortal com o retorno do papado ao poder, a lei dominical e o fim do tempo da graça para essa geração antes da segunda vinda de Jesus.

    “O mundo está agitado com o espírito de guerra.  quase alcançou o seu total cumprimento. Em breve terão lugar as cenas de angústia descritas nas profecias.”  {9T 14.2}.

      Os pioneiros e Ellen White entenderam que Daniel 11 se cumpriu desde o versículo 1 até à primeira frase do versículo 40, o qual nos leva até o ano de 1798: “o tempo do fim”. Portanto, quando Ellen White fala do cumprimento total de Daniel 11, está se referindo aos versículos 40-45.

  • Festas Judaicas

     A Bíblia ensina a existência de dois sábados. Um eterno, que existe desde a criação e está ligado aos 10 mandamentos (Êxodo 20:8-11) e a existência de sábados rituais, dias de festas cerimoniais (Levíticos 26). Existem sete sábados cerimoniais (festas) dados a Israel antes do exílio (Páscoa, Pães Asmos, Primícias, Pentecostes, Trombetas, Expiação, Tabernáculos).

      Estas festas estavam relacionadas aos sacrifícios de cordeiros, ofertas e prescrições alimentares, por isso que Paulo fala em Colossenses 2:16 para ninguém vos julgar por causa de sábados e festas, porque alguns cristãos continuavam participando desses sacrifícios de cordeiros e festas.

         Cremos que hoje o principal propósito destas festividades é indicar (tipificar) o trabalho de Jesus Cristo como nosso sumo sacerdote (Hebreus 8:1-2). Por exemplo: o Dia da Expiação, que é um dia de juízo no qual Ele julga a humanidade (João 5:22; I Pedro 4:17) antes do Seu retorno glorioso (Mateus 16:27; Apocalipse 22:12), quando se cumprirá a festa dos Tabernáculos, onde ao contrário da contrição da festa da Expiação, haverá muito júbilo e alegria. O juízo terá passado e o perdão dos pecados garantido.

  • Santificação

    Justificação, santificação e glorificação são aspectos da salvação que podem ser distinguidos, mas não separados. Justificação é aquilo que Deus faz por nós, enquanto santificação é aquilo que Deus faz em nós. Após sermos justificados, o Senhor trabalhará por nós e em nós na obra de preparar-nos para a glorificação. Paulo ensina que os crentes devem ser santificados pelo Espírito Santo. (Romanos 15:16.). E a obra dEste é guiar em toda a verdade (João 16:13) que é a Palavra de Deus (João 17:17; Salmos 119:142).

      Portanto, é mediante a regeneração que o Espírito Santo produz em nossos corações, através da Palavra, que nosso caráter é transformado. E desde que a Palavra de Deus é santa, justa e boa, e imagem da perfeição divina, segue-se que o caráter formado pela obediência àquela Palavra será santo. Santificação é um imperativo de Deus em uma experiência dinâmica de cooperação divino-humana. Não se apresenta a santificação como opção, mas sim como necessidade. “Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor”.  Hb 12:14.

       “A verdadeira santificação é uma inteira conformidade com a vontade de Deus. Pensamentos e sentimentos de rebelião são vencidos, e a voz de Jesus suscita uma nova vida, que penetra todo o ser. Aqueles que são verdadeiramente santificados não arvorarão sua própria opinião como uma norma do bem ou do mal. Não são fanáticos, nem de justiça-própria, mas ciosos de si, sempre tementes, com medo de que, havendo-lhes faltado uma promessa, tenham ficado aquém do cumprimento das condições sobre que se baseiam as promessas.“ {Sa 9.2}

     “Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos Céus.” (Mateus 5:48). Como Deus é perfeito em Sua elevada esfera de ação, assim o homem pode ser perfeito em sua esfera humana.” {CP 365.2}.  

     “O ideal do caráter cristão é semelhança com Cristo. Diante de nós abre-se uma senda de contínuo progresso. Temos um objeto a alcançar, uma norma a atingir, que incluem tudo que é puro, bom, nobre e elevado. Deve haver contínuo esforço e constante progresso para frente e para cima, rumo à perfeição do caráter.” {CP 365.3}.

    “Cristo é nosso exemplo: o perfeito e santo exemplo que nos tem sido dado para seguir. Nunca podemos nos igualar a Ele, mas podemos imitá-Lo e nos parecermos de acordo com nossas possibilidades.” {RH February 5, 1895, par. 7}.

 

  • Reforma da Saúde como Braço direito da Terceira Mensagem Angélica

      Muitos de nós hoje, como adventistas, não conseguimos contextualizar a importância da mensagem de saúde no âmbito do estudo das mensagens proféticas concedidas por intermédio do anjo de Deus aos nossos pioneiros. Sabemos que a Sra. White afirma que a reforma da saúde é o braço direito da mensagem do terceiro anjo. {CEv 131.3} Ou seja, não é a mensagem principal, é o braço.

“Mas conquanto a obra de saúde tenha o seu lugar na proclamação da mensagem do terceiro anjo, seus advogados não devem de maneira nenhuma procurar que ela tome o lugar da mensagem.” {CRA 73.3}.

     Qual é a mensagem principal? O Espírito de Profecia nos diz que é a terceira mensagem angélica. Acreditamos que as três mensagens angélicas representam um teste para o povo de Deus baseado em três etapas e que tem se repetido ao longo da história. As três etapas são: convencer do pecado (1a mensagem), da justiça (2a) e do juízo (3a). Essas mensagens estão contidas explicitamente no livro de Apocalipse (Apocalipse 14:7-9), mas também se encontram no livro de Daniel. Foram proclamadas ao longo de toda a história sagrada na época de Cristo, de Guilherme Miller, e estão sendo também proclamadas nos nossos dias.

        De acordo com a Sra. White, os anjos que proclamam essas mensagens somos nós, servos de Deus, que queremos fazer parte do remanescente:

“Esta advertência, temo-la em Apocalipse 14. Apresenta-se-nos ali uma tríplice mensagem como sendo proclamada por seres celestiais, e imediatamente seguida pela vinda do Filho do homem para recolher a colheita da Terra”.  {GC 311.4}.

“Declara-se que esta mensagem é parte integrante do ‘evangelho eterno’. A obra de pregar o evangelho não foi cometida aos anjos, mas confiada aos homens. Santos anjos têm sido empregados na direção desta obra; têm eles a seu cargo os grandes movimentos para a salvação dos homens; mas a proclamação do evangelho propriamente dita é efetuada pelos servos de Cristo sobre a Terra.” {GC 312.1}.

        Ou seja, nós, que queremos fazer parte do remanescente, devemos proclamar as três mensagens angélicas que fazem parte do evangelho eterno, onde o livro de Daniel tem o seu lugar. Para proclamar a 3a mensagem, a 1a e a 2a tem também que ser proclamadas.Como a mensagem da saúde é o braço direito da mensagem do terceiro anjo, podemos então ver que ela será um instrumento, porém não será a mensagem principal.

        Por fim, o ministério pelo qual Cristo se preparou por quase trinta anos estudando as escrituras, era pregar “arrependei-vos, pois é chegado o reino de Deus” (Daniel 9:24). As curas que Jesus fazia (a mensagem de saúde usada por Ele) representavam o braço direito da principal mensagem que Ele estava pregando, que era: a porta da graça está se fechando, o período probatório acabando para os judeus como povo. Assim é a mensagem de saúde para nós hoje, e também será antes e durante o decreto dominical. A Sra. White fala que João Batista é o segundo Elias e um representante daqueles que estariam vivendo nos últimos dias. O anjo Gabriel instruiu seus pais na reforma da saúde e ele tinha uma dieta puramente vegetariana.  Assim como ele preparou o caminho para Jesus, nós, como o terceiro Elias, temos também essa missão: anunciar a segunda vinda proclamando as três mensagens angélicas. {CSa 72.2}.

Nosso trabalho

 

  • Temos promovido campais proféticas desde 2013:

                                                                        1ª - Praia da Pinheira, 2013

                                                                     2ª - Ingleses/Florianópolis, 2014

                                                                      Campal Profética, Gramado, 2017

 

  • Ministramos palestras sobre saúde, estudos bíblicos e sermões. Organizamos Feiras de Saúde nas comunidades e oferecemos aulas de culinária. Trabalhamos com publicações de apostilas e artigos.

© 2018 by A Voz de Sião

  • YouTube ícone social
  • Instagram ícone social